12 de janeiro de 2016

Enrique Iglesias



Enrique Iglesias
Meo Arena

No princípio, Enrique era Martinez e não Iglesias. Mas quer ele quisesse, quer não, o cavalheiro agora com 39 anos sempre foi um privilegiado – porque um background da dimensão do pai Julio nunca pode não ser de algum modo útil quando se opta pelas cantigas; porque cedo se habituou a chamar casa a Miami, capital do interface entre a pop latina e a anglo-americana; e porque ele, Enrique, tem um ror de talento.

O caminho que vem percorrendo no showbiz tornou-se familiar: início em meados dos anos 1990 focado no público hispânico, o sucesso a transbordar para o resto do planeta já neste século. E tanto no caso de Enrique Iglesias como de parceiros de rota do calibre de Shakira e Pitbull, tem sido mais um caso da cultura popular de costela anglófona se aproximar do mercado latino (e, pormenor crucial, do afro-latino) do que do movimento contrário. É confirmar domingo, na Meo Arena, num serão onde Mickael Carreira brotará para repetir o dueto em “Bailando”, uma das faixas do ainda último registo de Iglesias, o quente e compacto mas variado Sex and Love, saído há quase dois anos.

(Antevisão de concerto publicada em Dezembro de 2015 na Time Out Lisboa.) 

Sem comentários: