14 de outubro de 2010

Taylor Swift - "Mine"



Claro que faltava esta. Tão evocativa, tão imagética que me seca as palavras. Dá para ouvir dias inteiros. (Nota mais ou menos lateral: os Fleetwood Mac são dos principais vencedores das escaramuças dos anos 1970.)

4 comentários:

Ricardo Rainho disse...

Pena é que tenha sido uma vitória pírrica.

Beep Beep disse...

Aguentei 1:06...

Acho que ponho ao lado dos Fleetwood Mac no mesmo sentido em que poria os 30 Seconds To Mars ao lado dos King Crimson. A única palavra com que concordo dessa descrição é "seca"!

Jorge Manuel Lopes disse...

O único patamar em que pode fazer sentido falar em vitória pírrica é no departamento das narinas destroçadas (cocaína oblige) e, eventualmente, no dos relacionamentos desfeitos. Venderam milhões atrás de milhões de discos e conseguiram ser famosos e amplamente estimados e influentes naquele tempo e neste tempo.

Ricardo Rainho disse...

Foste logo escolher o ângulo pelo qual faz menos sentido. É que olhar para a história dessa forma faz com que se esqueçam dois pormenores importantes:

a) Todos eles estão hoje vivos e de relativa saúde, quanto mais não seja porque conseguiram vencer os vícios;
b) Se é verdade que os relacionamentos amorosos não recuperaram, todos eles (talvez à exceção da Christine Perfect-McVie) conseguiram pôr todos os rancores para trás das costas o suficiente para que, entretanto, houvessem mais dois álbuns da formação mais famosa da banda no mercado e consequentes digressões.

Se alguma coisa, permite-me não só discordar em tudo o resto do que dizes, como inclusive adiantar que a perspetiva de vitória pírrica se justifica muito mais em pleno noutros campos. Para já, se houve coisa que os Fleetwood Mac não tiveram durante uns bons anos foi respeito crítico na esfera pública - não só a indie, é bom desde logo dizê-lo. Assim de repente, diria que seguirem um disco efetivamente corajoso como o Tusk com dois (Mirage e Tango in the Night) que, mal ou bem, se limitavam a soar atualizações de circunstância à fórmula Fleetwood Mac/Rumours não ajudou propriamente à festa - e nem sequer queiramos gastar discurso sobre o Behind the Mask e o Time. E se a questão da influência deles nem sequer se põe, duas perguntas impõem-se deixar, por enquanto, no ar: quanta dessa descendência é realmente importante/relevante/digna de nota/etc.; e quanta dessa descendência desenvolveu, ela própria, as mesmas propriedades.