24 de julho de 2008

1993

Mais quatro dias e cumpriam-se dois anos exactos desde que aqui despejei o meu último best of discográfico.

Um pouco de contexto, para quem não acompanhou a novela: desde 1982 que faço listas com os - meus - melhores discos do ano. O que aqui vou reproduzindo reflecte o que tem de reflectir, isto é, o que gostava, e quanto gostava, em tempo real.

As listas de 92 estão aqui. As dos anos anteriores não andam longe.

As de 1993, abaixo reproduzidas, soam surpreendentemente certas. Hoje, quase não mexeria nos 20 discos estrangeiros (só talvez os Dinosaur Jr. e os Pearl Jam marchariam dali para fora), e quase todos permanecem, pelo menos em teoria e de memória, audíveis. Foi um ano forte, de boas convulsões estéticas. O meu alinhamento "ideológico" pró-Melody Maker estava no auge, e lá por Novembro havia encontrado e começado a ler uma revista chamada The Wire.

Já a lista nacional, a 18 anos de distância, é para lá de pobrezinha. Dois deles continuam recomendáveis (os nos. 3 e 4), a três deles perdi o rasto (nos. 2, 6 e 8 - alguém aí tem isso?), e o resto são decepções, equívocos e bizarrias.

Siga.

DISCOS DO ANO
1993
INTERNACIONAL
1- Debut – Björk
2- Giant Steps – The Boo Radleys
3- In Utero – Nirvana
4- Tindersticks – Tindersticks
5- Very – Pet Shop Boys
6- Selected Ambient Works 85-92 – Aphex Twin
7- Fuzzy – Grant Lee Buffalo
8- Republic – New Order
9- Dream of 100 Nations – Transglobal Underground
10- So Tough – Saint Etienne
11- Suede – Suede
12- New Wave – The Auteurs
13- The Infotainment Scan – The Fall
14- Six Wheels on My Wagon – Fluke
15- Orb Live 93 – The Orb
16- Where You Been – Dinosaur Jr.
17- Sabresonic – The Sabres of Paradise
18- Trasient Random-Noise Bursts With Announcements – Stereolab
19- Vs – Pearl Jam
20- Last Splash – The Breeders


DISCOS DO ANO
1993
NACIONAL
1- Ave Mundi Luminar – Rodrigo Leão & Vox Ensemble
2- Sounds – Infrarave
3- Tinta Permanente – Sérgio Godinho
4- Partes Sensíveis – Três Tristes Tigres
5- Ready Made – Pop Dell’ Arte
6- Golpe de Estado – Golpe de Estado
7- Direito ao Deserto – Xutos & Pontapés
8- Mal d’Honor – Lucretia Divina
9- Represas – Luís Represas
10- Entre S.F.F. – Entre Aspas

19 comentários:

Ricardo Raínho disse...

Tens a certeza que os Transglobal Underground, os Grant Lee Buffalo, os Tindersticks e os Breeders continuariam na boa numa lista tua, em 2008? Tenho cá as minhas dúvidas. :)

Jorge Manuel Lopes disse...

Breeders e Tindersticks de certeza mais do que absoluta. GLB e TU, embora mais longe na memória, também acredito que sim.

Ricardo Raínho disse...

OK. Digamos que as tuas relativamente recentes diatribes anti-indie foram as grandes responsáveis pelas minhas dúvidas. ;)
Não que eu não concorde parcialmente com elas, diga-se.

joão moço dos recados disse...

Fico surpreendido de ver um Ave Mundi Luminar em primeiro lugar...ou o Represas numa lista de melhores do ano.

Jorge Manuel Lopes disse...

Eu também, João, eu também. :)

Ricardo Rainho disse...

E, no entanto, meteres os Pop Dell' Arte no saco das "decepções, equívocos e bizarrias" é que me surpreende mais, acima de tudo!

Jorge Manuel Lopes disse...

O que fizeram depois do Illogik Plastik (Sex Symbol à parte) é especialmente redundante e penoso de ouvir. Aliás, acho que o passar do tempo não tem sido nada simpático com a música toda dos PDA. Quando escuto alguma coisa deles hoje em dia, pergunto-me se eles não são uma banda com um leque de ideias (e truques) muito limitado - começando pelos dotes de expressividade do João Peste.. Numa frase: way, way overrated.

Pedro Carvalho disse...

A lista dos estrangeiros é, sem duvida, soberba, mesmo com estes anos todos em cima. É claro que está um tudo nada datada, mas até isso lhe fica bem. Pena eu não ter a mania das listas, dava para comparar, tenho a certeza que muita coisa em comum haveria, aliás a partilha dos discos a as conversas sobre eles eram uma constante na altura :) Aliás, tenho a certeza que se nos sentassemos a beber uns copos e falar sobre esta lista a coisa era do tipo "este fui eu que descobri e te emprestei, aquele aconselhaste tu" e por aí fora.
Dá noticias e abraço,

Pedro Carvalho disse...

A lista dos estrangeiros é, sem duvida, soberba, mesmo com estes anos todos em cima. É claro que está um tudo nada datada, mas até isso lhe fica bem. Pena eu não ter a mania das listas, dava para comparar, tenho a certeza que muita coisa em comum haveria, aliás a partilha dos discos a as conversas sobre eles eram uma constante na altura :) Aliás, tenho a certeza que se nos sentassemos a beber uns copos e falar sobre esta lista a coisa era do tipo "este fui eu que descobri e te emprestei, aquele aconselhaste tu" e por aí fora.
Dá noticias e abraço,

Pedro Carvalho disse...

Lembrei-me agora que o Trasient Random-Noise Bursts With Announcements comprei na Virgin numa ida a Lisboa (para ver os Fall, salvo erro), acho que fomos eu, tu, o Tocas (no carro dele) e um amigo teu que era irmão de uma amiga minha que acho que se chamava Claudia. Chiça, as voltas que o planeta já deu! :)

dj duck disse...

Jorge,
Podes dar-me alguma notícia dos saudosos Lucretia Divina?O vocalista chamava-se Fernando Alagoa,vi-os e ouvi-os pela primeira vez no Aqui del Rock na rtp...
Saudações
dj duck

Jorge Manuel Lopes disse...

Pedro - Seis ou sete dos discos da lista internacional tenho-os eu ainda em cassete. Adivinha lá quem os gravou? :-)) Não me lembro exactamente de teres comprado o dos Stereolab na Valentim de Carvalho do Rossio, mas lembro-me de termos lá ido antes do concerto dos... Sonic Youth no Campo Pequeno. O resto bate certíssimo. E para provar que o planeta continua a dar voltas que não estavam no guião, agora escrevo-te de um apartamento que fica a 10 minutos a pé do Campo Pequeno...

DJ Duck - Perdi por completo o resto dos Lucretia Divina desde a saída desse disco. Banda que também conheci por um programa de TV (provavelmente aquele que mencionas), e que se chamava facilmente a atenção pelo som menos ortodoxo e pelos dotes, errr, "cénicos" do vocalista.

dj duck disse...

Jorge,
Obrigado!
Sabes quem apresentava o concurso?O João Grande dos Táxi.É só mais uma curiosidade.
Também estive no fabuloso concerto dos Sonic youth no Campo Pequeno,que algum tempo depois seria lançado em cd atravez do clube de fans oficial da banda.
Saudações
dj duck

dj duck disse...

Jorge,
Uma curiosidade,ainda hoje escutas o Republic dos New Order?
Abraço
dj duck

Jorge Manuel Lopes disse...

Sim, ainda o ouço bastante. Sei que estou em minoria absoluta, mas acho que é dos álbuns mais sólidos dos New Order. O que veio depois é que, se calhar, mais valia não ter aparecido...

dj duck disse...

Jorge,
Estou de acordo contigo.Mesmo assim ainda bem que ainda passaram por Portugal para na minha opinião darem em excelente concerto.
Abraço
dj duck

jonnyzipzap disse...

Allo! eu s� venho defender os Pop Dell' Arte...que continua a ser uma das bandas que mais gozo me d� ouvir ao vivo, ali�s abusar um pouco, mas � um privil�gio ter uma das melhores a tocar ao vivo em todo o mundo em Portugal :)...e fa�o por nunca os perder...na minha ultima contagem ja levava 16 concertos ao vivo, de 1998 para c�...alias a primeira vez que os vi foi no ritz club...e foi a primeira e ultima vez que entrei a�...esse club ja esta mesmo off?

Jorge Manuel Lopes disse...

Na qualidade de semi-lisboeta só de há um ano para cá, não serei a pessoa em melhores condições para te responder, mas é verdade que, nestes últimos 12 meses, não me passaram pela frente quaisquer referências a concertos no Ritz Club. E sim, da única vez que vi os Pop Dell' Arte ao vivo (Paredes de Coura, 1995) o concerto foi excelente. Mas acho que a cotação deles é injustificadamente elevada, e a música frequentemente datada e limitada.

Rini Luyks disse...

Página "revivalista" Lucretia Divina ;)
https://www.facebook.com/profile.php?id=100010187350325