25 de maio de 2007

Dépêchez-Vous

Hurry up son, we haven't got all day!

1. Desde o início do mês que os estimados visitantes deste blogue podem ler-me a dissertar sobre cinema, das novidades em sala às novidades em DVD. Onde e como? Todos os domingos, na revista J, que vem aconchegadinha dentro do jornal O Jogo.

2. Nos Futuros que saíram no Actual do Expresso do último sábado, dia 20, escrevia sobre dois "projectos" que fazem música para dançar. Uns chamam-se The Black Ghosts. O outro chama-se Kalabrese. Ouçam-nos. Digam coisas.

3. Mais um ex-camarada da aventura rocambolesca UM com um blogue para ser lido: Knock Is There, do Diogo Silva.

4. Três artigos que devem mesmo, mesmo, mesmo ler:
I - Tom Ewing e a putativa utilidade da escrita sobre música no nosso mundo, agora (dica cortesia da Ana).
II - David Hepworth dá nove razões para pegar no alternative country, embrulhá-lo todo bem embrulhadinho e despachá-lo para uma central de tratamento de resíduos tóxicos. (O blogue de David Hepworth é o blogue-versão-diário que mais gosto dá ler neste momento.)
III - O Popjustice alinha uma crítica monumental ao (parece que) igualmente monumental Good Girl Gone Bad de Rihanna. Mesmo que não venha a ser o álbum do ano (difícil de imaginar, eu sei, mas há que manter várias possibilidades em aberto até, tipo, ouvir o disco) , ao menos já se pode orgulhar de ter servido de inspiração para o melhor texto crítico discográfico do ano.

5 comentários:

Spaceboy disse...

O disco da Rihanna não é o disco do ano, mas está muito bom, é talvez o meu preferido dela. A "Breakin' Dishes" e a "Don't Stop the Music" são incríveis. Esperava mais da música com o Ne-Yo, mas paciência.
O blog do Diogo Silva é outro dos melhores que por aí andam.
Tenho aqui o disco do Kalabrese para ouvir. Por falar em coisas para dançar, que achaste do novo do Matthew Dear, "Asa Breed"?

Jorge Manuel Lopes disse...

Ainda não ouvi, mas as coisas do MDear não me escapam.

André Gomes disse...

Parabéns pela colaboração com a J, Jorge. :) Vou tentar encontrar a dita.

Samuel Jerónimo disse...

Fico-me pelos escritos do David Hepworth. Já tive a mesma opinião, depois mudei e agora não sei o que pensar (too much sun these days)

Samuel Jerónimo disse...

Penso que o MEC também está a escrever crónicas na “J”. Se a memória não me falha penso que desfolhei uma e que, para meu grande espanto, descobri uma crónica dele ladeada por material do género “my boobs are bigger than yours”.